Artigos

Os criminosos não fazem quarentena

Melissa Almeida
Escrito por Melissa Almeida em 23/07/2020
Os criminosos não fazem quarentena
Junte-se a mais de 200 empresas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O fato de muitas pessoas estarem trabalhando em casa devido à pandemia, gera uma fala sensação de segurança, mas ao contrário do que se pensa, o índice de criminalidade pode aumentar.

Sim, porque muitos prisioneiros estão progredindo de regime fechado para o aberto em consequência do Covid-19 e isso têm demonstrado o aumento de arrombamentos, por exemplo.

Tanto no comércio quanto nas residências as medidas de segurança devem ser redobradas.

Mais do que nunca é necessário se certificar de quem entra nos seus domínios e com qual objetivo.

Desta forma as empresas de segurança têm uma grande oportunidade de aumentar suas vendas.

Por exemplo, famílias que moram longe de seus familiares idosos podem usar câmeras sem fio que possibilitem monitorar seus parentes em situação de risco.

As empresas que ficam mais tempo fechadas ou com número reduzido de funcionários trabalhando, também podem solicitar o serviços de câmeras ou de portaria remota.

Em casos de prédios residenciais ou condomínios, vale rever os protocolos de entrada e saída de pessoas e veículos. Atenção voltada para as áreas de acesso comum e segurança perimetral.

Isso significa que mesmo em tempos de crise podemos nos reinventar. O que vale é analisar o mercado e verificar que brechas podemos ocupar.

É inegável o poder da segurança eletrônica e privada neste momento ímpar. A pandemia apresenta desafios que poderão ser contornados com o bom uso das ferramentas que temos em mãos.

Podemos usá-las de formas diferentes e criativas, mas todos em prol da proteção da vida e do patrimônio dos nossos clientes.

Este é um avanço que precisamos fazer.

Tem alguma dúvida? Nós te ajudaremos, envie uma mensagem no WhatsApp (49) 9.9817-3953 ou encaminhe um e-mail para: contato@centraldevagas.com

Deixe sua opinião nos comentários do post.

Olá,

o que você achou deste conteúdo? Deixe sua opinião nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *